Rafael Paschoalin

Rafael Paschoalin vai disputar o TT da Ilha de Man

Rafael Paschoalin

Rafael Paschoalin

Pela primeira vez nos 106 anos de história da lendária corrida de rua da Europa, o Tourist Trophy da Ilha de Man, um brasileiro irá se arriscar na prova mais difícil e perigosa da motovelocidade mundial. O piloto paulista Rafael Paschoalin, de 29 anos, tentará completar a prova mais antiga do mundo do motociclismo de rua com uma Ducati Panigale 1199. A prova acontece numa ilha pertencente à Inglaterra, que fica entre o Reino Unido e a Irlanda: a Ilha de Man. É uma corrida de rua, que mescla trechos urbanos e estradas, onde os pilotos atingem uma velocidade máxima em torno dos 340 km/h. São 60 km de circuito, totalizando 360 km ao final de seis voltas e mais de 1.500 curvas. Para se ter uma idéia do perigo desta prova, o recorde de velocidade média foi de 208 km/h, leia bem, velocidade média!!!

A corrida é contra o tempo e é muito difícil, um desafio enorme, principalmente por se tratar de uma prova de rua. Não existem áreas de escape ou qualquer outro tipo de proteção para o piloto depois de uma queda. Não há margens para erro. Prova disso são os mais de 200 pilotos que perderam suas vidas fazendo aquilo que mais amavam: correr de moto. Penhascos, postes, árvores, muros… Os pilotos estão expostos a todos os perigos de uma cidade.

Paschoalin (113) já disputou a North West 200, na Irlanda do Norte, e o GP de Macau (foto: Renato Durães)

Paschoalin (113) já disputou a North West 200, na Irlanda do Norte, e o GP de Macau.

O TT da Ilha de Man não é uma prova aberta, ou seja, você não pode simplesmente se inscrever e correr. Tem que estar credenciado para isso. Como não existem provas da modalidade Road Racing no Brasil, Paschoalin teve que participar de duas provas no exterior antes de ser aceito para correr o TT – a North West 200, na Irlanda, e o GP de Macau, na China. Na Ilha de Man, Rafael pretende correr em três das cinco categorias: Superstock, Superbike e Sênior.

Mas ainda falta incentivo para Rafa concretizar seu maior sonho. Como sabemos, o motociclismo esportivo em geral é pouco reconhecido no Brasil. Os gastos para competir em qualquer prova, nacional ou internacional, são exorbitantes e, na maioria das vezes, saem direto do bolso do piloto. Portanto, você pode ajudar o Brasil a entrar na história do motociclismo Mundial. Como? É fácil. Basta entrar nesse link e fazer sua doação, com valor mínimo de R$ 20. O valor total que Rafa irá gastar nessa empreitada é de aproximadamente R$ 150.000,00, mas o financiamento coletivo do “O Pote”, site de crowdfunding, tem que arrecadar R$ 66.000,00 até o dia 18 de maio. Se a soma arrecada não chegar a este valor, o dinheiro que cada um doou para a iniciativa será devolvido integralmente. Até agora, foram doados R$ 22.000,00, 33% da cota total. Então, ainda falta muito para chegarmos aos 100%. Portanto se você puder, ajude o piloto brasileiro, Rafael Paschoalin, a conquistar esse sonho e a carregar a bandeira verde e amarela na mais famosa corrida de rua do mundo.
A prova do TT da Ilha de Man 2013 está agendada para acontecer do dia 25 de maio a 7 de julho. Conheça mais sobre a prova e assista às insanas imagens da corrida de 2012 aqui.

Quem é Rafael Paschoalin?

PAG 1 okay

Motociclista desde os 7 anos de idade, “Rafa” iniciou sua carreira profissional no motociclismo em 2003. Já coleciona diversos títulos na categoria  de Supermoto e também bons resultados na motovelocidade, como o título das 500 Milhas de Interlagos na geral e também na categoria Supersport em 2009. Aos 29 anos Rafa tem como destaque profissional a ampla experiência como piloto de teste de revistas especializadas. É piloto credenciado na Confederação Brasileira de Motociclismo e também na Federação Internacional de Motociclismo. (Por Roberto Brandão Filho)

 

A cereja do bolo. Evolution Titânio para Hornet

A Hornet é referência entre as motocicletas nakeds de média-alta cilindrada , isso todos sabem. Porém a Jeskap trouxe para essa bike a cereja que faltava.

Escapamento Full 4X2X1, com ponteira Evolution Titânio. O que era bom, ficou ainda melhor. A moto ficou mais leve e ganhou 9cv. Convidamos o piloto Rafael Paschoalin para testar essa máquina nas pistas do Autódromo  Interlagos.

Veja agora como ficou o ronco e a estética da moto.

 

CB 600F - Hornet CB 600F - Hornet Ricardo_Santos-0620 Ricardo_Santos-0626 Ricardo_Santos-8256 Ricardo_Santos-8297 Ricardo_Santos-8302

Piloto brasileiro lamenta morte de companheiros no GP de Macau e fala em “respeito aos limites da pista”

Rafael Paschoalin fala da dificuldade na “Mônaco do Oriente”

O brasileiro Rafael Paschoalin viu de perto a morte de dois companheiros no fatídico GP de Macau nesse fim de semana. Ainda assim, o piloto de 29 anos reuniu forças (e coragem) para subir em sua moto e acelerar naquela que é considerada a “Mônaco do Oriente” pelo glamour ao redor de suas curvas traiçoeiras.

Em entrevista por telefone, Paschoalin lamentou, claro, a morte de Luís Filipe de Sousa Carreira e Phillip Yau Wing-Choi. O brasileiro também explicou que o espírito da velocidade e o desafio contra os próprios limites que levam os pilotos a correrem riscos em um traçado com muros tão próximos e que devem ser respeitados.

Vettel larga na pole, Alonso é o 8º no GP dos Estados Unidos

Veja aqui o que Vettel precisa fazer para ser campeão

Saiba por que Alonso pode estragar a festa de Vettel

Confira a seguir os melhores trechos da entrevista:

R7 – Depois das duas mortes em dois dias, como ficou o clima para a corrida?

Rafael Paschoalin – O clima sem dúvida era dos piores. Teve um minuto de silêncio antes da prova começar. É muito ruim quando um evento como esse começa assim. Mas todo mundo está aqui, apesar do risco enorme. Todo mundo tem seus compromissos com seus patrocinadores e objetivos pessoais. Neste momento, não pode deixar a emoção falar mais alto.

R7 – O GP de Macau existe desde 1954 e pilotos consagrados correram ai como Ayrton Senna e Michael Schumacher. O que há de tão desafiador nesta pista que é conhecida como a Mônaco do Oriente?

RP – Aqui é bem parecido mesmo com Mônaco – claro que Fórmula 1 é outro nível. É um evento bem glamoroso, o público comparece nas arquibancadas. Na pista, não tem como tornar um guard-rail mais seguro. É realmente uma prova perigosa e o que aconteceu esse ano foi que os pilotos não respeitaram o circuito. A visão das curvas é muito prejudicada, diferente de um autódromo que você vê o começo, meio e fim da curva.

R7 – E em uma moto isso torna ainda mais perigoso.

RP – A principal dificuldade no motociclismo é que você não tem um cinto de cinco pontos, um carro que absorve o seu impacto. Em uma prova como essa você se machuca de verdade.

R7 – A premiação do GP de Macau vale a pena?

RP – Os pilotos vêm para cá mais pelo desafio. O principal de tudo é superar os próprios limites. Não é contra o adversário que você corre, é contra você mesmo. Aqui o negócio é tão extremo que a todo momento os pilotos estão conversando e é comum um até sentar na moto do outro. Quando dá a largada, todo mundo quer ganhar.
Kelvin Wong/Divulgação

R7 – Qual foi a reação da sua família após as mortes?

RP – Era uma situação em que a maioria das famílias iria falar para não correr. Mas meu pai era piloto, comecei a andar de moto muito cedo. Minha mãe que seria contra, mas acabaria correndo do mesmo jeito. Também vi uma foto do meu filho com a mãozinha de como se estivesse acelerando uma moto. Tudo isso me deu muita força.

R7 – Quais seus próximos passos no motociclismo de rua?

RP – Quero correr o TT (Tourist Trophy) da Ilha de Man, na Irlanda, que é a prova máxima. Mas já aprendi que existem outras provas antes e você tem de ter um currículo para correr. A gente olha no YouTube e parece tudo muito fácil, mas aqui você vê que é extremo.

Reprodução: R7.com

Motociclista português morre após sofrer acidente no GP de Macau

Luís Carreira – Foto:DR

Morreu nesta quinta-feira o motociclista português Luís Carreira. Correndo pela Benimoto, o luso sofreu grave acidente durante a primeira sessão de treinos qualificatórios para o GP de Macau, tradicional prova anual disputada na China, e não resistiu aos ferimentos.

Carreira caiu sozinho durante a curva dos pescadores, trecho mais rápido do circuito de rua chinês. Após a queda, sua moto chocou-se com o muro e pegou fogo, fazendo a sessão ser paralisada por bandeiras vermelhas.

Ainda na pista, os médicos tentaram reanimar o motociclista, em vão. O português ainda foi imediatamente transferido de ambulância para um hospital local, mas foi dado como morto às 16h28 (horário local), trinta minutos após o seu acidente.

“A Comissão do Grande Prêmio de Macau lamenta informar que Luis Filipe de Souza Carreira, concorrente nº 33, de Portugal, no 46º Grande Prêmio de Motos de Macau, sucumbiu aos ferimentos resultantes de um acidente ocorrido na sessão de qualificação desta tarde”, anunciou Costa Antunes, coordenador do evento.
Segundo Antunes, foram acionados no atendimento a Carreira o serviço médico do circuito, um veículo de intervenção rápida totalmente equipado e uma ambulância com dois médicos em serviço.

Esta era a sétima participação do português na tradicional prova chinesa, que todo ano conta com pilotos e motociclistas convidados pela organização. Aos 35 anos, Carreira tinha como melhor participação um quarto lugar, em 2008, quatro anos após a sua estreia.

O brasileiro Rafael Paschoalin, é um dos participantes do 46º GP de Macau e ficou muito abalado com a perda do recém amigo Carreira. Rafa postou em sua fanpage no Facebook fotos que tirou com Carreira na abertura do GP.

Força pilotos!! Força Rafa!!

Fonte: ESPN

Rafael Paschoalin no GP de Macau

Rafael foi o primeiro brasileiro a correr o North West 200

Parece que o Brasil começa e engrenar nas corridas de rua. Após competir na North West 200 este ano, o piloto Rafael Paschoalin confirmou a sua presença no GP de Macau, China, prova de rua apenas para convidados. Aos 29 anos, essa é a segunda corrida de Road-Racing que o paulista irá participar. Diferente da North West, o GP de Macau conta apenas com a categoria principal – SBK–, ou seja, nada de colete de iniciante dessa vez ou motos standard.

Em sua 46ª edição para as motocicletas (59ª no geral), Rafa será o segundo brasileiro a participar dessa prova. O multicampeão Gilson Scudeler já competiu por dois anos nessa competição. Um dos diferenciais dessa corrida é a competição de carros junto ao evento de motos, mais um atrativo emocionante.

A pista de Macau é montada no meio da cidade chinesa, e mescla trechos de alta velocidade e outros bem travados. O circuito possui 6 120 metros de extensão, que prometem picos de alta velocidade. Para acompanhar os melhores pilotos do mundo dentro da pista, como o campeão de 2011, Michael Runtter, Paschoalin irá encarar essa missão novamente com a sua BMW S 1000 RR.

O GP de Macau acontece entre os dias 15 e 18 de novembro. Rafa terá instalado em sua motocicleta um escape full 4x2x1 100% titânio da Jeskap. Para quem quiser conhecer um pouco mais sobre o evento, acesse o link oficial da competição http://www.macau.grandprix.gov.mo e a página profissional do piloto brasileiro http://www.facebook.com/rafaelpaschoalin113.

Pista que Paschoalin irá enfrentar, tem 6 120 m

Go go go Paschoalin!

Copyright: Redação Motociclismo / Lucas Paschoalin

Imagens Renato Durães/Divulgação